quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Adeus...



Voltarei mas não vos sei precisar quando. Fui à procura de ver Baleias a dançar.
Prometo (e mesmo fora dos timmings esperados, nunca falhei uma promessa) que encontrarão um dia, mais histórias minhas. Aqui ou noutro lugar.

Se entretanto passarem por mim, chamem-me... Eu conto-vos uma história.

Para os que  são seguidores do Blog e por isso amigos (distantes ou próximos) haverá mais histórias, nos endereços de e-mail que me deixarem -> flascasas@gmail.com  (Não prometo tentar agradar-vos.)

Obrigado a todos os que deixaram comentários.

As histórias foram até agora dedicadas:


Àqueles que aguardam uma visita mensal e me dão uma cama improvisada (que na verdade é permanente). Àqueles que são génios poéticos e nunca desistiram de me deixar uma palavra mesmo quando (para testar a sua persistência literária) não lhes deixo nenhuma, nas suas libertações.
Àqueles - iguais aos anteriores - que me dão tempo (até para um foundant de chocolate) - O segredo são 11 minutos de cozedura!
Àqueles que choram em recepções de SPA e me forçam a escrever histórias com finais felizes.
Àqueles que insistem em gostar da "personagem" que lhes conta apenas a parte real das histórias.
Àqueles que transformam as histórias numa "matriz matemática" e calculam as fórmulas das suas "vulnerabilidades".
Àqueles - iguais aos anteriores - que são verdadeiros escritores, com mais talento e sensibilidade do que eu.
Àqueles que inventaram o verbo "Pedaçar" e pertencem a um mundo especial - Dica: o melhor. 
Àqueles que não deixam o trabalho misturar-se com um profundo sentimento de cumplicidade, carinho e amizade.


Àqueles por quem me apaixonei e aos que odiei mesmo não tendo amado.
A Lisboa - por me ter reinventado e por me  fazer esquecer a perda de um amigo (numa história que ainda não foi contada).
À PT e ao RT - que são os nomes que Lisboa devia ter, para (inevitavelmente) ser amada.
Ao Porto - pelas cicatrizes (incluindo de carne) e por (ainda) me ignorar.
A Aveiro.
Aos países que me acolheram e aos que me deram oportunidades de trabalho - para pagar multas, viagens de regresso, saídas da prisão e... excessos.
Ao J.F. e ao D.P. - que dão Paixão ao meu modo de sobrevivência.
A todos o que conhecem verdadeiramente os meus defeitos e insistem em amar-me.
Aos meus amigos - a família que decidimos ter (e que quase inclui todos os que foram referidos).
  
Aos meus pais - e consigo provar cientificamente - que fizeram tudo o que foi mencionado anteriormente.


Àqueles que me convenceram que 80 histórias podem ser apenas 40 e ainda assim, mais que suficientes para um livro.

As histórias foram dedicadas a vós mas vocês já as sabiam (viveram).

Filipe Lascasas

Florence and The Machine - "Cosmic Love"

4 comentários:

  1. sabia que te ia encontrar por aqui...
    nem acredito que vais fugir outra vez...

    ResponderEliminar
  2. Vai... eu vou estar sempre contigo mano.

    O meu coração é teu.
    O orgulho em ser tua mana, esse... é só meu! :)

    PS

    ResponderEliminar
  3. Passei por ti e... Sem te chamar, contaste-me uma história! :)

    Continua... Sempre!

    ResponderEliminar